O perigo dos bacharéis em Medicina

O perigo dos bacharéis em Medicina

O editorial do jornal conservador Washington Examiner deve servir de ponto de reflexão para onde está caminhando o ensino nos cursos médicos no Brasil.

Já temos 353 faculdades de Medicina, sendo que 173 delas foram abertas entre 2011 e 2021.

Na primeira semana do novo governo, o Ministério da Educação revogou uma portaria do governo anterior que regulamentava a abertura de novos cursos no país.

Porta aberta para a chegada, em curtíssimo prazo, de mais três escolas privadas, somente em Natal.

Sem contar com o desmonte do Revalida que está em adiantado estado de gestação na bancada parlamentar do PT e partidos simpatizantes.

Nos Estados Unidos, com 332 milhões de habitantes, há 131 faculdades de Medicina e um movimento para impedir a esquerdização da profissão.

Escolas médicas ‘acordadas’ são uma ameaça à sua saúde

          Washington Examiner, 16/01/2023


Os médicos devem examinar seus pacientes como indivíduos, analisando seus sintomas e comportamento sem levar em conta raça ou situação econômica.

Por centenas de anos, foi isso que as escolas de medicina ensinaram aos médicos.

Não mais.

Após os tumultos de 2020, a Association of American Medical Colleges está tentando mudar fundamentalmente a forma como a medicina é praticada.

Isso será perigoso para sua saúde.

A associação iniciou iniciativas para “promover a justiça social de maneira abrangente”, inclusive pressionando as escolas médicas a fazer um inventário para avaliar suas chamadas políticas de Diversidade, Equidade e Inclusão. 

Do No Harm (Fazer Nenhum Mal), um grupo conservador de vigilância médica, obteve documentos de escolas médicas de todo o país a partir desse inventário, e os resultados são alarmantes.

Esta semana, o Washington Examiner publicará histórias sobre documentos obtidos de quatro faculdades de medicina que mostram uma aceitação alarmante da ideologia de justiça social por trás dessas iniciativas do DEI.  Em nome da “equidade na saúde”, a AAMC está pressionando os estudantes de medicina a repensar como praticam a medicina.

“As desigualdades não podem ser compreendidas ou abordadas adequadamente se nos concentrarmos apenas nos indivíduos, em seu comportamento ou em sua biologia”, diz um documento.  Em vez disso, “o trabalho de equidade em saúde requer” a identificação e a interrupção de “narrativas dominantes” que “limitam nossa compreensão das causas profundas das iniquidades em saúde”.

A tendenciosa baboseira ideológica continua: “Narrativas baseadas na supremacia branca e na sustentação do racismo estrutural, por exemplo, perpetuam desvantagens cumulativas para algumas populações e vantagens cumulativas para pessoas brancas, especialmente homens brancos”, explica o guia em uma passagem repleta de chavões suficientes  e jargão para sufocar um camelo.

“Narrativas que centram acriticamente a meritocracia e o individualismo tornam invisíveis as restrições genuínas geradas e reforçadas pela pobreza, discriminação e, em última instância, exclusão.”

Em outras palavras, em vez de pensar: “Como meus pacientes podem se proteger contra problemas de saúde?”  o AAMC pede aos estudantes de medicina que pensem: “Que tipo de ação coletiva pública é necessária para confrontar a desigualdade em saúde entre populações identificáveis?”

O médico, no seu trabalho, deve preocupar-se exclusivamente com o bem-estar de cada doente, tratando-o como um indivíduo merecedor da sua dignidade humana.  Eles não devem ser tratados como um marcador de algum mal social identificado menos pela observação genuína do que pelos preconceitos ideológicos do médico.  Esses são males, em todo caso, para os políticos resolverem, não para os médicos trabalharem como autônomos.

Uma coisa é estudantes de medicina quererem se tornar ativistas sociais em seu tempo livre fora da sala de aula, mas esse tipo de besteira ideológica não tem lugar para ocupar tempo e esforço valiosos no treinamento médico detalhado que os médicos recebem.

Ver os pacientes como membros de um grupo racial em vez de indivíduos com problemas de saúde cientificamente explicáveis ​​é exatamente o oposto da boa medicina. 

Os governos estaduais que controlam muitas dessas faculdades de medicina deveriam examinar com atenção como os programas do DEI estão minando suas missões de saúde pública e deveriam rejeitá-los.

fonte: http://blog.tribunadonorte.com.br/territoriolivre/o-perigo-dos-bachareis-em-medicina/

Deixe um comentário