Nova variante do vírus da Covid-19 se propaga mais rápido que original

Nova variante do vírus da Covid-19 se propaga mais rápido que original

Foto: reprodução/Visual Science

Estudo anglo-americano sugere que variante atual do vírus da covid-19 possa ser até seis vezes mais infecciosa do que a inicial. A variante da moléstia respiratória covid-19 atualmente dominante nos casos globais é três a seis vezes mais infecciosa do que a cepa original do novo coronavírus, constatou um estudo recente publicado pela revista científica Cell.

Pesquisadores do Laboratório Nacional Los Alamos, em Novo México, e da Universidade Duke, de Carolina do Norte, em colaboração com o consórcio de pesquisa Covid-19 Genomics UK (COG-UK), deduziram que a atual cepa do Sars-cov-2, a D614G, apresenta uma pequena, porém significativa mudança na proteína que se projeta para fora da superfície do vírus, com a qual ele invade e infecta células humanas.

Os resultados iniciais da pesquisa, publicados em abril, foram criticados por não provar que a própria mutação causasse essa dominância, e outros fatores ou o acaso poderiam ser responsáveis. A equipe realizou experimentos adicionais, analisando os dados de 999 pacientes britânicos hospitalizados com covid-19, e constatou que quem contraíra a cepa mais nova apresentava mais partículas virais, mas sem que isso afetasse a severidade da moléstia.

O especialista americano em doenças infecciosas Anthony Fauci comentou no Journal of the American Medical Association sobre a pesquisa de laboratório (da qual não participou): “Acho que os dados mostram que uma mutação isolada faz o vírus replicar-se melhor, e talvez ter grandes cargas virais.” No entanto “não temos uma pista de se um indivíduo sofre mais com isso ou não”: apenas parece que a nova cepa do Sars-cov-2 seria mais transmissível.

Entretanto, essa hipótese ainda precisa ser confirmada: na atual fase, as conclusões só podem ser consideradas “prováveis”, já que experimentos dessa ordem não reproduzem com precisão a dinâmica da pandemia. Embora a variante atualmente em circulação possa ser mais “infecciosa”, é possível que seja menos “transmissível” de pessoa para pessoa.

Num comentário, o virologista Nathan Grubaugh, da Escola de Saúde Pública de Yale, igualmente não envolvido na pesquisa, diz não acreditar que os resultados vão ter grande impacto para o público em geral. “Embora ainda sejam necessários estudos importantes para determinar se isso influenciará o desenvolvimento de medicamentos ou vacinas de modo significativo, não contamos que o D614G altere nossas medidas de controle ou piore os contágios individuais.”

Segundo Grubaugh, trata-se, antes, de “uma olhada ao vivo na ciência em ação: uma descoberta interessante foi feita, potencialmente afetando milhões de pessoas, mas ainda não conhecemos sua dimensão nem impacto totais”.

Terra

Oftalmoclínica de Natal
Clínica da Família
Pedro Neto Acessórios
Restaurante Charque Potiguar
Auto Escola Prudente
Sindicato dos Médicos do RN
Richplan-Consultoria em Gestão e Treinamentos

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: