Brasil confirma dois casos da ‘deltacron’: o que se sabe sobre nova variante do coronavírus’

Brasil confirma dois casos da ‘deltacron’: o que se sabe sobre nova variante do coronavírus’
Os primeiros casos de covid relacionados a essa nova variante foram detectados na França em janeiro de 2022. — Foto: Daniel Roberts/Pixabay
Os primeiros casos de covid relacionados a essa nova variante foram detectados na França em janeiro de 2022. — Foto: Daniel Roberts/Pixabay

O Ministério da Saúde do Brasil confirmou nesta terça-feira (15) os dois primeiros casos de Covid-19 no país causados pela variante chamada de “deltacron”.

Numa conversa com jornalistas, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que essa nova versão do coronavírus foi detectada em um paciente do Pará e em outro do Amapá.

“Essa é uma variante de importância, que requer monitoramento. As variantes são classificadas como variantes de importância e de preocupação, e as autoridades sanitárias estão aqui para, diante dessas situações, tranquilizar a população brasileira”, disse Queiroga.

Embora seja utilizado em reportagens e postagens de redes sociais, o nome deltacron não é adotado oficialmente pelas instituições de saúde. Por ora, a designação utilizada em estudos e publicações especializadas para essa nova linhagem é AY.4/BA.1.

Confira a seguir o que já se sabe e o que ainda falta conhecer sobre essa nova variante.

Origem e espalhamento

Os primeiros casos de uma variante do coronavírus que une alguns genes da delta com outros da ômicron foram confirmados na França em janeiro de 2022.

De lá para cá, ela também foi encontrada na Bélgica, na Alemanha, na Dinamarca e na Holanda, de acordo com informações do Gisaid, uma plataforma online onde cientistas do mundo todo compartilham sequências genéticas do coronavírus.

Mais recentemente, alguns casos de Covid relacionados à deltacron também foram observados nos Estados Unidos e, agora, no Brasil.

A quantidade de sequências positivas desta linhagem ainda é bem baixa: até o momento, foram depositadas no Gisaid apenas 47 amostras da AY.4/BA.1, sendo que 36 delas vêm da França.

Embora não seja uma informação conclusiva, o fato de esse número não ter crescido de forma exponencial de janeiro para março pode ser interpretado como um sinal preliminar de que essa linhagem não possui uma capacidade de espalhamento superior à da ômicron.

Outro dado que corrobora essa perspectiva vem de um estudo ainda não publicado por pesquisadores da Helix, uma empresa privada que trabalha com sequenciamento genético nos Estados Unidos.

Os cientistas analisaram mais de 29 mil amostras positivas para covid-19 que foram colhidas entre novembro de 2021 e fevereiro de 2022, período em que tanto a delta quanto a ômicron circularam com bastante intensidade por terras americanas.

De todos esses casos positivos, foram identificados apenas dois que traziam a tal da deltacron.

Os autores concluem que, por ora, esses episódios com as duas variantes são “raros” e “não existem evidências de que uma combinação delta-ômicron resulta num vírus mais transmissível em comparação com as linhagens da ômicron em circulação”.

Como as variantes se misturam?

O virologista Felipe Naveca, que integra a Rede de Genômica da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), explica que a recombinação de variantes não é algo raro ou inesperado.

“É possível que isso já tenha acontecido várias vezes, com outras linhagens. Mas, como no início as variantes do coronavírus não eram tão diferentes umas das outras, ficava mais difícil detectar esses eventos.”

“Os vírus estão em constante evolução e o surgimento de novas versões não é necessariamente uma coisa ruim. Precisamos agora avaliar e entender o impacto que isso pode ter na pandemia”, complementa.

Mas como essa recombinação acontece na prática? Primeiro, é preciso ter em mente que os últimos meses foram marcados por uma intensa circulação de duas variantes do coronavírus: a delta e a ômicron.

Nesse contexto, um indivíduo pode se infectar simultaneamente com as duas versões do patógeno, ao ter contato com pessoas infectadas num bar, no transporte público ou em qualquer outro local onde ocorrem aglomerações.

As duas variantes podem, então, infectar uma célula ao mesmo tempo. O resultado desse processo é que as novas cópias de vírus que surgem dali trazem alguns genes característicos da ômicron e outros pedaços do código genético da delta.

No caso da deltacron, por exemplo, os cientistas observaram que ela carrega a espícula da ômicron e o “corpo” da delta.

Vale lembrar aqui que a espícula, ou a proteína S, é uma estrutura que fica na superfície do vírus. A função dela é se conectar aos receptores das células humanas para dar início à infecção.

Ainda não está claro se essa “mistura” de duas linhagens importantes do coronavírus pode causar um quadro mais grave, com risco maior de hospitalização ou morte.

Também não existem informações se ela consegue escapar da imunidade, conferida por uma infecção prévia ou pela vacinação.

Os cientistas estão fazendo pesquisas para responder a essas perguntas e os primeiros resultados devem ser divulgados nas próximas semanas.

Há razão para preocupar-se?

Autoridades em saúde pública nacionais e internacionais têm pedido ponderação e calma a respeito dessa nova variante.

Ao anunciar a descoberta dos dois primeiros casos no país, o ministro Queiroga falou em “tranquilizar a população brasileira” e disse que a detecção da deltacron é “fruto do fortalecimento da capacidade de vigilância genômica no Brasil”.

Em entrevistas recentes, Maria Van Kerkhove, líder técnica de covid-19 da Organização Mundial da Saúde (OMS), destacou que até agora “não foram observadas mudanças epidemiológicas ou na severidade da doença relacionadas a essa variante”.

“Infelizmente, esperamos ver mais vírus recombinados, pois mudar com o passar do tempo é justamente o que esses patógenos fazem”, explicou a especialista.

Naveca concorda com os prognósticos e as análises. “Da parte científica, a gente precisa aumentar a vigilância genômica e fazer cada vez mais sequenciamentos de amostras para entender se essa nova variante tem algum impacto”, aponta.

“Já do ponto de vista individual, é muito importante completar o esquema vacinal com as doses recomendadas”, recomenda.

“E os demais cuidados preventivos, como a lavagem das mãos e o uso de máscaras de boa qualidade, especialmente em ambientes fechados, continuam a funcionar para diminuir o risco de se infectar com qualquer variante do coronavírus”, conclui o virologista.

Fonte: BBC News Brasil.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: